Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2018
Brasil

Deputado quer cobrar royalties do vento. Isso faz sentido ou é mais uma maluquice?

Avança proposta para tornar o vento um patrimônio da União passível de compensação pelo seu uso. Objetivo é aumentar o caixa de estados e municípios, mas efeito imediato será encarecer a conta de luz

Publicada em 18/01/18 as 10:18h - 43 visualizações

por http://www.gazetadopovo.com.br


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo)
Depois da sugestão de "estocar o vento" da ex-presidente Dilma Rousseff, o Congresso tenta agora formalizar uma proposta que soa quase tão fantasiosa. Com a proximidade das eleições de 2018, avançaram os debates para aprovar uma lei que considera os ventos um patrimônio da União e obrigam a cobrança de royalties. A proposta, se aprovada, resultaria em mais aumento na conta de luz, com a transferência desse custo para o consumidor. 

Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de 2015 voltou a tramitar e em dezembro foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A justificativa do autor do projeto, o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), é que as usinas de geração eólica competem com outras atividades econômicas e reduzem a geração de emprego e renda nas áreas onde se instalam. O objetivo é engordar o caixa de municípios, estados e da União com mais essa obrigação a ser recolhida. 

Especialistas condenam a proposta e afirmam que a energia eólica produz exatamente o efeito contrário ao propagado na justificativa da PEC, gerando desenvolvimento nas regiões onde são instaladas, majoritariamente no Nordeste do país. 

"Esta proposta é bastante curiosa e inédita, não há precedente mundial nesta direção e, se aprovada, estaríamos 'inventando moda'. Além disso, será um custo adicional aos consumidores, sobre o qual ainda incidem impostos e é um movimento que vai na direção contrária da busca pela racionalização dos já excessivos encargos e subsídios que oneram o já alto custo da energia e afetam a competitividade do país", Luiz Augusto Barroso, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do governo federal.

A cobrança de royalties chegaria ao bolso do consumidor de energia, avalia Cristopher Vlavianos, presidente da Comerc Comercializadora de Energia. "Não sei nem da onde apareceu essa ideia. Ela vai contra tudo que está se caminhando hoje, de redução de custos e encargos do setor. É muito fácil ir criando despesas. Não vejo isso como coisa muito lógica. Tudo que você cria de custo vai parar no consumidor. Você não está cobrando royalties da empresa geradora, mas sim do consumidor de energia", disse.





Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.







Nosso Whatsapp

 (46) 98800-5000

Visitas: 1436
Usuários Online: 23
Copyright (c) 2018 - RÁDIO GUARIBAS FM - PALMAS - PARANÁ - .